A cozinha como metáfora:o ato culinário e seus horizontes

By Monday, August 26, 2013 Permalink 0


Exif_JPEG_422

A COZINHA COMO METÁFORA: O ATO CULINÁRIO E SEUS HORIZONTES

by Betina Mariante Cardoso

English translation coming soon

Minha cozinha

Sou eu, Betina, na minha cozinha de hoje!

E por falar em subjetividade, a partir da minha escrita sobre a obra de M.F.K. Fisher, “The Gastronomical Me”…Você já pensou na cozinha como   metáfora? Pois a reflexão de hoje  é sobre o ato culinário e  seus horizontes,  sua subjetividade… Deste  universo, nasceu minha  escrita  de cozinha, em começo de 2012,   pelo meu desejo de compartilhar  as epopeias criativas de forno-e-  fogão. Não apenas as receitas,  mas toda a riqueza que a  culinária pode produzir em  nosso mundo interno, do  autoconhecimento à percepção  de aptidões, anseios,  sensibilidade e tantas outras  riquezas. Assim, surgiram meu blog Serendipity in Cucina, em  março, e meu livro, nove meses  depois. No  entanto, esta história tem início  há trinta anos atrás, lá na minha infância.

Explico.

Para mim, a cozinha sempre foi um território mágico, um espaço de descobertas, de experiências, de sabores, de liberdade. Quando éramos crianças, meu irmão e eu fazíamos o ‘bolo inventado’, onde tudo era possível na elaboração da massa do bolo, estimulados e supervisionados pela mãe. Aprendíamos a sentir o efeito dos ingredientes na textura da preparação, a conhecer os aromas e cores que cada etapa assumia, a viver nossa criatividade de modo lúdico, livre e, sem dúvida, cauteloso nas tarefas que só os adultos poderiam executar. Espiávamos o bolo crescendo no forno, sentíamos o cheiro inundando a cozinha, e entendíamos que o resultado era produto de nossas ideias, possibilitado pela expertise da mãe. Preparar receitas, conhecer elementos e reações químicas aplicados, vivenciar a diversão ímpar de mexer a massa e de vê-la crescer no forno, tudo isso era viver a culinária como objeto de nossa primeira autoria. E, além de tudo, saboreávamos o bolo no lanche da tarde!

Com sete ou oito anos, disse para a Vó Léia que desejava fazer um bolo de Natal, de maçã com castanha-do-pará, recheado e coberto com doce de leite e castanhas raladas. Nem imagino de onde tirei esta ideia, e nem mesmo porque escolhi esses ingredientes. Cozinheira de mão cheia, ela me deu um dos maiores presentes que eu poderia ganhar naquele Natal: a confiança na minha ideia e os ensinamentos práticos de como realizá-la – explicou-me tudo, tim-tim por tim-tim, deixando que eu mesma fizesse cada passo, exceto quando a atividade envolvesse cortar alimentos ou mexer no forno. Ali, pude descobrir que poderia inventar uma receita, mas isso envolvia uma nova etapa: descobrir que as medidas devem ser seguidas à risca, que há uma metodologia para o desenvolvimento da criação, que certos cuidados são essenciais, e tantas outras coisas que sei hoje sobre as receitas culinárias. Inventar ganhava um método.

Entretanto, o mais importante que aquela ocasião me proporcionou foi saber que eu poderia, a partir de um desejo, elaborar sua realização através de passos definidos, prestando atenção em cada detalhe de cada etapa. Então, a autora daquela torta seria eu mesma, da teoria à prática,  com supervisão cuidadosa dos adultos. Claro que minha compreensão, na época, estava muito longe desta complexidade toda, mas me lembro de ter sentido alegria, muita alegria, e um orgulho por ter criado a receita. Era como o prazer de abrir um presente de Natal. Aquela experiência ficou profundamente marcada em mim, assim como a prática do bolo inventado. Criatividade e método eram atributos que começavam a me despertar encanto. Repeti o ‘como-se-faz’ da torta de maçã com castanha-do-pará nos outros Natais, seguindo os registros da primeira experiência. Com isto, verifiquei que o método, seguido à risca e com atenção aos passos do processo, resultava muito semelhante entre uma e outra vez. Acredito mesmo que tenha nascido ali meu prazer em inventar receitas e repeti-las.

Exif_JPEG_422

A lasanha feita por minha mãe, desde nossa infância…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seguiu-se então o aprendizado  de preparar receitas já  conhecidas,  como a da Nega  Maluca, sempre sob supervisão.  E, como toda a  família    era  adepta da prática culinária, as  oportunidades de  observação e  de    treinamento eram  múltiplas, e o encanto era  crescente. Via minha mãe    fazendo  a lasanha anotada em  seu caderno  de receitas – feito à  mão  por  uma tia –, camada por  camada da  lasanha, tudo passo a  passo. E fui    gostando cada vez  mais de ler  cadernos de  receita:  dos ingredientes ao  modo de  fazer, da leitura das   receitas  escritas à mão ao exercício mágico do preparo dos quitutes.  Além disso, via o entusiasmo coletivo da mesa da cozinha nas vésperas  de festas, principalmente nos Natais, em que a mãe, as avós e as tias picavam oleaginosas, preparavam sabores e compartilhavam a alegria festiva de produzir os cardápios de nossa história. Aquelas reuniões de cozinha pareciam ser a coisa mais divertida do mundo, um lugar em que se reuniam o prazer e a prática de todas as gerações, em uma vivência contagiante. Ajudando nos preparativos, observando a força de cada uma das criações próprias da mãe, da Vó Léia, da Vó Alda – cuja ambrosia ensolarava qualquer mesa de doces – e das minhas tias, descobri que cada uma tinha suas especialidades, suas preferências por esta ou aquela receita e a habilidade fervorosa na execução das gostosuras.

Continue Reading…

Never miss a post
Name: 
Your email address:*
Please enter all required fields
Correct invalid entries

UA-21892701-1
//my.hellobar.com/d143271ead9933b1dfe07d7fc9d0e2727f962be2.js